domingo, 13 de janeiro de 2013


POLÍTICA
Exposição com dinheiro público exalta feitos de José Sarney
Às vésperas de deixar o comando do Senado, José Sarney (PMDB-AP), de 82 anos, ganhou uma exposição bancada com recursos públicos para exaltar os seus quatro mandatos como presidente da Casa.
Com o título 'Modernidade no Senado Federal - Presidências de José Sarney', a apresentação omite escândalos que marcaram suas gestões – por exemplo, a crise dos atos secretos, de 2009, que permitiram a contratação de parentes do senador e que quase levaram à sua queda.
A exposição foi instalada na biblioteca do Senado com aval de Sarney, que tem dito que não disputará eleições após o fim do atual mandato.
Ela começou no dia 18 e vai até o dia 25 deste mês. No total, 23 diretorias e secretarias foram envolvidas na produção de 76 painéis.
Eles reúnem o histórico de ações de Sarney nos quatro biênios em que ocupou a presidência (1995-1997, 2003-2005, 2009-2011 e 2011-2013). Ele também foi presidente da República entre 1985 e 1990.
Questionado pela Folha, o Senado não revelou o valor dos gastos. Argumentou que o material foi impresso pela sua própria gráfica e os textos, elaborados por servidores – o que, segundo a Casa, representaria 'custo zero'.
Parte da apresentação trata da 'transparência' na administração da Casa. Ao falar do período de 2009 a 2011, época do escândalo dos atos secretos, os painéis citam como feitos de Sarney 'agilidade na transparência nas compras e contratações' e 'desburocratização e eficiência'.
Um dos textos diz que, desde 2009, 'iniciativas de maior transparência possibilitam a consulta aos atos administrativos do Senado e aos dados sobre gastos e prestações de contas' da Casa, publicados no Diário Oficial.
O escândalo mostrou que, em 14 anos, 511 medidas administrativas deixaram de ser publicadas. Ele motivou dez representações contra Sarney, todas arquivadas pelo Conselho de Ética da Casa, na época controlado por aliados. Nelas, era acusado de ser um dos 'principais responsáveis' pela edição dos atos.
Parentes de Sarney, do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e de vários outros senadores foram contratados e exonerados da Casa por meio desse mecanismo. Renan, um dos principais aliados do peemedebista, é agora favorito a suceder Sarney.
Entre outros escândalos da gestão Sarney omitidos na exposição estão os pagamentos de horas extras para servidores no recesso e de auxílio-moradia para senadores que moravam em imóveis próprios e do Senado – entre eles o próprio Sarney, que acabou devolvendo a verba.
No painel de apresentação da exposição, Sarney diz que pautou suas gestões 'por estar sempre olhando para o futuro e para a transparência'.
O material afirma que o senador nunca teve atração por cargos de comando no Congresso. Em outros quadros, são elogiadas as criações da TV e do jornal do Senado e do DataSenado (instituto de pesquisas da Casa).
Não é a primeira vez que Sarney usa dinheiro público para enaltecer sua carreira. No fim de 2011, ele contratou uma consultoria de imagem com verba do Senado na tentativa de resgatar aspectos positivos de sua biografia.
Outro lado – A assessoria de José Sarney disse que o escândalo dos atos secretos não foi incluído por se tratar de uma 'ficção' criada pela imprensa.
De acordo com a assessoria, Sarney abriu sindicância para apurar as denúncias e determinou a publicação dos atos – logo, diz, o tema não deveria estar nos painéis. A exposição, segundo a assessoria, é iniciativa do Senado.
É TETRA! Os mandatos de Sarney no comando do Senado
1995-1997
Na primeira passagem como presidente do Senado, José Sarney (PMDB) compõe a base de apoio no Congresso do primeiro mandato do governo tucano de Fernando Henrique Cardoso
2003-2005
Sarney contraria o PMDB, que indicou Rita Camata como vice de Serra (PSDB), e apoia Lula (PT) na disputa presidencial. Com isso, se cacifa para presidir o Senado pela segunda vez
2009-2011
Eclode na terceira gestão de Sarney o escândalo dos atos secretos, com a revelação de que uma série de medidas administrativas não foram publicadas. Sarney nega que tenha havido irregularidade
2011-2013
Sarney se reelege para comandar o Senado. Assume interinamente a Presidência no mês passado. Em entrevista, diz que não pretende ser mais candidato.
GABRIELA GUERREIRO
Da Folha de S. Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

FAÇA SEU COMENTÁRIO OU ENVIE SUA RESPOSTA EM CASO DE DIREITO A RETRATAÇÃO.

ESTAMOS VOLTANDO